TERAPIA DE CASAL PENHA RJ

Efeitos alarmantes da exposição das crianças à violência doméstica


A violência doméstica (DV) assume muitas formas, incluindo brigas e discussões crônicas, controle de comportamentos, ameaças e intimidações, ameaças de suicídio ou assassinato, ameaças envolvendo armas, ferimentos graves e ataques fatais. Há sempre, no entanto, uma corrente destrutiva de poder e controle, com os infratores comumente e compulsivamente buscando em um substituto o que está faltando dentro de si: controle. Qualquer padrão de comportamento em relacionamentos íntimos marcados pelo controle coercitivo pode ser um sinal ou presságio de abusos.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) informaram que em casas onde ocorre a violência entre parceiros, há uma chance de 45% a 60% de abuso infantil concomitante, uma taxa 15 vezes maior que a média. Mesmo quando não são fisicamente atacados, as crianças testemunham 68% a 80% das agressões domésticas. Esses números são um lembrete preocupante do pedágio que um ambiente violento afeta as crianças.

As circunstâncias do DV deixam os cuidadores – emocionalmente e de outra forma – indisponíveis e sem resposta, e ativam nas crianças um medo primitivo e uma série de outras emoções crus, complexas e não resolvidas. O psiquiatra e pesquisador pioneiro Daniel Siegel (2004) instruiu: “A mente se desenvolve quando o cérebro responde à experiência em curso … O padrão de disparo dos neurônios é o que dá origem à atenção, emoção e memória.” E o que dispara – em um combinação de exposições violentas e a experiência neurobiológica subjacente da criança – os fios juntos.

O resultado psicológico da exposição ao DV pode incluir medo de dano ou abandono, preocupação excessiva ou tristeza, culpa, incapacidade de sentir empatia ou culpa, mentira habitual, baixa tolerância à frustração, distanciamento emocional, falta de discernimento, vergonha e medo do futuro.

A atenção dada, as emoções sentidas e as memórias impressas no cérebro de uma criança em momentos de estresse tornam-se inextricavelmente unidas e sempre mancham – ou então filtram – sentimentos, crenças e escolhas nos relacionamentos e em tantas outras facetas da vida. Essas crianças não são apenas espectadores inocentes. Eles são vítimas.

TERAPIA DE CASAL PENHA RJ
Leste é leste, oeste é oeste e Nova York é diferente
TERAPIA DE CASAL PENHA RJ
Devemos mudar a linguagem adversária do divórcio
There are currently no comments.